Posted tagged ‘Robinho’

Até quando, interrogação

12/13/2010

É sempre a mesma história. Mas até quando, interrogação.

Adriano, Robinho, Tevez … Nunca cumprem os seus contratos. Sempre há algum problema de adaptação, ou com o técnico, ou com a vida, ou com a família. Jogar bola que é bom, niente

O futebol precisa evoluir e deixar jogadores como esses para trás. Algo precisa ser feito para exemplo dos mais novos. Ou alguém discute que a tendência é que o Neymar faça as mesmas coisas que o seu ídolo Robinho faz, interrogação.

Os clubes deveriam ser mais unidos nesse ponto. É difícil, pois essas negociações envolvem muito mais do que a simples transferência de um jogador. Mas o correto seria os clubes que estão de alguma forma unidos (caso do Clube dos 13, só para dar um exemplo) fecharem as portas para esses jogadores, até eles entenderem que a coisa não funciona da forma como eles imaginam. Fala a verdade, interogação. O Robinho vai fazer falta no futebol, interrogação. E o Adriano, interrogação.

Os próprios torcedores têm lá sua parcela de culpa. Não deveriam exaltar esses jogadores quando chegassem aos seus times. O certo era protestar, até para ver se o cara já fica esperto logo de início. Mas não. O jogador chega, beija a camisa, e o torcedor fica louco de felicidade. Foi o que aconteceu com o Robinho no Santos. Mesmo depois de tudo o que o jogador fez para sair do Santos da primeira vez, no seu retorno o torcedor ficou todo feliz.

O caso do Adriano também é emblemático. Não estou falando que ele seja, mas ele age como um verdadeiro estelionatário. Vai para um clube, suga tudo o que pode, não joga, e depois pede para sair. E a vítima não é só o clube. É o trouxa do torcedor. No dia que os grandes clubes fecharem as portas para ele, restarão duas opções: jogar no Volta Redonda para ganhar R$ 10 mil por mês e continuar fazendo as mesmas coisas ( e já estaria muito bom, pois tem muito médico por aí que não ganha metade disso) ou então se conscientizar de que é preciso mudar.

Vinicius (ex)Avallone

Anúncios

Elias, Jucilei, Douglas…

11/17/2010

Na estreia de Mano Menezes no comando da seleção brasileira foi possível perceber que Douglas, Elias e Jucilei não estão no lugar certo. O lugar deles é no campeonato brasileiro, contra o Avaí, Vitória, Goiás, enfrentando jogadores do nível do Rivaldo, Réver, Gum. Seleção é coisa séria, ainda mais contra a Argentina.

Também foi possível perceber, de uma vez por todas, que o Ronaldinho Gaúcho já deu o que tinha que dar na seleção. O jogo de hoje serviu para calar a boca daqueles que disseram que se o craque do Viaduto do Chá estivesse na Copa do Mundo o resultado do Brasil seria outro.

Por fim, é de se repensar o Robinho no ataque da seleção, já que o Brasil já achou um substituto com o mesmo estilo de jogo, porém com mais ânimo.

Vinicius (ex)Avallone

A noite vai ser pequena em Milão

08/31/2010

Chegou a vez da Itália comprovar o mau-caratismo de Robinho.

Espanha e Inglaterra já tiveram este desprazer.

Humildade acredito não faltar para o fracassado jogador. Tentará, pelo sétimo ano seguido, ser eleito o melhor jogador do mundo.

Aliás, humildade vem de berço: Santos.

Nesta última semana o mandatário poeta santista LAOR afirmou de forma franciscana que tentaria fazer de Neymar o primeiro melhor jogador do mundo atuando fora da Europa.

Meu Deus, exclamação.

Acho que em Santos, de bom mesmo, apenas a praia do Zé Menino, com suas areias radioativas e os simpáticos siris de 13 patas.

Voltando a Robinho, se juntará ao craque do Viaduto do Chá e ao recém-separado Pato, que me faz lembrar muito Adrianinho, ex-Ponte Preta, eterna promessa, hoje com 30 anos.

Enfim, a noite de Milão será pequena para estes “profissionais”.

E o Milan, com esta irracional insistência em brasileiros, vai se afudando. Robinho não joga bem uma única partida desde 2004.

Por Jota Barros, deve terminar no Siena

Um novo Brasil

08/10/2010

1. Não dá para reclamar da atuação do Brasil. Foi um jogo de uma equipe só. Méritos da seleção brasileira, demérito da seleção americana. A única coisa a reclamar é do tal de Paulo Cesar Vasconcellos do Sportv. O cara é simplesmente intragável. Como alguém pode ser pago para falar que “o jogador não poderia dominar essa bola, mas sim bater de primeira forte e no ângulo”, interrogação e exclamação. Não parece, mas existe comentarista pior do que o Neto.

2. A dupla estreante Neymar e Ganso jogou bem. Só acho que o Ganso poderia atuar de uma forma menos arrogante e mais participativa. Alguém precisa avisar que ele tem ainda um longo caminho a percorrer até ser quem ele pensa que é. Acho que ele não sabe, mas se saísse do estádio andando pela porta da frente e no meio da torcida americana, ninguém iria saber quem ele é.

3. O Mano Menezes começou a partida de forma ofensiva. Lógico. Era obrigação. Depois do que foi feito na última Copa do Mundo, até o Celso Roth começaria o seu primeiro jogo na seleção com 3 atacantes. Mas não pode passar despercebido o fato da seleção ter terminado a partida com 3 volantes. É melhor o torcedor não se iludir com a fase ofensiva do Mano Menezes. É para inglês ver.

4. Seria uma seleção renovada se não fosse a presença de Robinho. Ele já disputou duas Copas do Mundo. Em ambas afirmou que se consagraria como melhor jogador do mundo. Fracassou em ambas. Participações pífias. Ainda há lugar para ele na seleção, interrogação. Já não existe um jogador com o seu perfil no processo de renovação (Neymar), interrogação. Por que convocar Robinho e deixar de chamar jogadores que mostraram mais em suas passagens anteriores, como Juan e Lúcio, interrogação. O pior de tudo é vê-lo como capitão do time. Que exemplo para os jogadores que estão chegando agora, exclamação.

Vinicius (ex)Avallone

Sempre ele

08/10/2010

Essa é a imagem da falsidade e do mau-caratismo.

Esse tipo de “homenagem” seria até aceitável se viesse de algum dos jogadores convocados por Mano Menezes que não participaram da seleção do Dunga. Neymar e Ganso, por exemplo, bem ou mal poderiam dar essa cutucada no ex-técnico. Não estariam sendo corretos, mas pelo menos não estariam sendo falsos.

Mas ver Robinho nessa situação é deplorável. Ora, enquanto tudo corria bem na seleção dentro de campo, Robinho nunca teve um mínimo de compaixão com esse ou aquele que sofreu algum tipo de constrangimento por parte do Dunga. Agora, sem precisar das convocações do Dunga, vem com essa de bom moço, como se não tivesse compactuado com as medidas adotadas na Copa do Mundo contra a imprensa.

Não tem jeito. Uma vez mau-caráter, sempre mau-caráter.

Vinicius (ex)Avallone, sinal da reconciliação com a Rede Globo

Parabéns ao Santos

08/05/2010

Apesar da torcida de milhões de pessoas que não compactuam com as atitudes dos meninos da Vila, o Santos de Robinho, Neymar e Paulo Henrique Ganso foi o campeão da Copa do Brasil. Para mim é indiferente. Sou Jornalismo Futebol Clube e torci apenas por um bom futebol.

A minha torcida deu certo pois o bom futebol apareceu. Só que apenas pelos lados do Vitória. Apesar de ter um time melhor, o Santos jogou um futebol mediano e arrogante, e pelo jeito vai ser assim até o final do ano. Não acredito que o Santos vá disputar o título do campeonato brasileiro. E não é só porque já garantiu uma vaga para a Copa Libertadores do ano que vem.

O lado negativo do jogo foi ver os jogadores se reunírem no centro do gramado para fazer uma oração, depois de tudo o que fizeram nos últimos meses e dias. Fiquei enojado. Deve ter sido uma sessão de descarrego, isso sim.

O lado positivo é que quando o Santos é campeão se dorme tranquilamente em São Paulo.

O último destaque é que o jogo marcou a despedida do Robinho do Santos. Mais uma. Dessa vez, porém, ele sai pela porta da frente.  Para a felicidade dos santistas, diria no entanto que é um até breve. Logo ele vai parar na reserva na Europa, revolta-se e, no final, pede para voltar para o Santos.

Vinicius (ex)Avallone, e o Simon passou despercebido

Renovar, interrogação

07/06/2010

Basta a seleção brasileira perder que se fala que tudo tem que mudar. Nada presta. Está tudo errado.

Assim como aconteceu logo após a eliminação na Copa do Mundo de 2006, o presidente da CBF, Sr. Ricardo Teixeira, fala na necessidade de uma completa renovação (naquela ocasião a renovação começou com a contratação de Dunga como técnico). Renovar o time, evidentemente, pois renovar a direção da própria CBF é mais díficil do que alguém diferente dos irmãos Castro assumir Cuba.

A ideia manifestada por Ricardo Teixeira é de colocar para jogar na seleção uma nova geração. Ele deu a entender que o time que jogou é muito velho e que os jogadores a serem convocados daqui por diante devem ser mais jovens. Comparou a seleção brasileira com as seleções da Alemanha e Gana. Disse que enquanto no Brasil apenas um jogador tinha idade olímpica (Ramires), essas outras seleções tinham mais de 10 jogadores nessa condição.

A alegação de Ricardo Teixeira é esdrúxula e demonstra o quanto ele entende de futebol.

A renovação é importante. Concordo. Contudo, o Brasil não tem que adotar como critério simplesmente a idade dos jogadores convocados. O que deve ser avaliado é a condição física e técnica.  Medalhões fora de forma ou sem comprometimento devem ser substituídos sempre que possível. Mas se no momento da convocação forem os melhores das suas posições, não podem ser desprezados por causa da sua idade.

Se o Lúcio, por exemplo, for o melhor zagueiro atuando daqui 4 anos, deve ser convocado para a Copa do Mundo. Só o que não pode acontecer – e é o que vinha acontecendo uns tempos atrás – é o jogador ser convocado apenas pelo nome, como Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Robinho etc.

E mais. Não se pode comparar o futebol brasileiro com o alemão e o ganês. Quem disse que esses outros países optaram por convocar jogadores novos em detrimento de outros mais velhos? Alemanha e Gana, assim como a maioria dos demais países, não têm muita escolha, tanto que a Alemanha teve que chamar um brasileiro para formar o time. Essas seleções convocam os melhores que estão à disposição. Por acaso os melhores alemães e ganeses tinham, na maioria, menos de 23 anos.

A Alemanha, por exemplo, só não levou o medalhão Ballack, de 34 anos, porque ele se machucou. Por “sorte” a Alemanha achou para o seu lugar o jogador Ozil. E mais. Matthaus e Klinsmann só não jogam no time da Alemanha porque não aguentam mais, pois do contrário já estariam na sua décima Copa do Mundo. Já o caso de Gana não merece comentários. É sabido que quase todos os jogadores ganeses tem mais de 40 anos.

No Brasil, porém, é completamente diferente.  A cada 6 meses surgem novas opções para o técnico. Aqui, diferente de lá fora, é possível formar umas 5 seleções competitivas. O problema aqui é que nem sempre os melhores são escolhidos, e quase sempre o treinador é uma tristeza.

É preciso parar com essa besteira de renovação. O que a seleção brasileira precisa é de um bom técnico que escolha os melhores e jogue no velho e bom 4-4-2.

Renovação é na presidência da CBF. E de preferência que não seja o Andres Sanchez, como estão dizendo por aí. Nem o Belluzzo.

Vinicius (ex)Avallone, apostou como o polvo: Espanha 3 x 2 Alemanha, com 2 gols do mediano Villa


%d blogueiros gostam disto: